Creative Commons License
This work is licensed under a Creative Commons Attribution-Noncommercial-No Derivative Works 2.5 Portugal License.

dezembro 13, 2010

Os inventores de Guantânamo



O homem está despido, de mãos amarradas atrás das costas. Os olhos estão vendados. Pressente que na sua frente estão dois soldados e que outros dois, ladeando-o, lhe seguram os braços. Não entende o que lhe berra quem está na sua frente. Falam-lhe numa língua que não é a sua. Não percebe o que eles querem. No entanto a cada frase, que supõe ser uma pergunta feita de forma aterradora, mergulham-lhe meio corpo no bidão de água até os pulmões estalarem e o líquido, como faca acerada, subir pelo nariz rasgando em dor o caminho da sufocação. Quase no limite do afogamento retiram-no da água, repetem as incompreensíveis perguntas e, antes do tempo necessário para recobrar o fôlego, voltam a mergulhá-lo no horror. A qualquer instante pode morrer. No início do interrogatório temia o sofrimento e a morte, agora que a aflição é insuportável se a morte viesse seria aceite como almejada libertação.

Isto, consideraram os próceres judicativos dos Estado Unidos da América, não é tortura. É um método de indução da verdade! Abu Ghraib também não foi tortura. Foi apenas um abuso da soldadesca sem conhecimento dos comandos superiores. Esta é a lógica e a moral do império. Nada que ele faça é censurável. Censuráveis são os outros, façam eles lá o que fizerem, desde que tal seja inconveniente para os interesses do tio Sam.

É a mesma moral com que pretendem decidir quem tem, ou não, o direito de possuir armas atómicas. Pergunta-se de onde lhe vem tal autoridade quando, em todo o mundo, foram eles os únicos, até agora, a utilizar, por duas vezes, a bomba atómica para exterminação voluntária e consciente de populações civis. Não é, como se prova, gente que mereça muita confiança. Talvez por isso não sejam signatários e não reconheçam a jurisdição do Tribunal Internacional. Têm certamente receio de saber de forma apodíctica o que das suas acções pensa o mundo. Amedronta-os as consequências dos seus actos. Apesar disso continuam, olímpicos e unilaterais, a pretender regular os direitos dos outros. Tentaram utilizar a noção de “guerra preventiva”, isto é, a possibilidade de atacar, sem prévia declaração de guerra ou provocação, qualquer país no mundo, desde que não lhes agradasse ou conviesse as decisões soberanas do mesmo. Antes desta doutrina, nos anos 60 e 70 do século passado, puseram a América Latina a ferro e fogo, derrubando governos democraticamente eleitos, substituindo-os por ferozes ditaduras, em nome de uma liberdade e democracia que outra coisa não era mais que máscaras para os seus interesses egoisticamente económicos.

Inventaram as armas de destruição maciça quando, por razões que só o petróleo sabe, decidiram atacar o Iraque. Meteram o mundo numa embrulhada de que ainda não conseguimos sair e que teve parte importante no descalabro em que presentemente nos encontramos. Construíram uma rede de espionagem comercial – a Echelon – para roubarem os segredos dos “aliados” europeus e, quando descobertos, alegaram, com candura e inocência, que tudo isto era em nome da sã concorrência. Inventaram assim o modo do eu posso fazer o que quiser e tu farás só o que me agradar. A isto chamaram justiça!

Dentro desta lógica querem agora impedir a divulgação dos documentos “Cablegate” pela Wikileaks, exigindo a prisão e o repatriamento, por terrorismo e traição, do seu mentor Julian Assange. Aqui, minha gente, apesar de habituado à prepotência americana, não consigo deixar de abrir a minha boca numa estupefacção sem limites.

Vejamos então:

Os documentos publicados no “site” estão a ser dados, regularmente, à luz por poderosos e tradicionais meios de informação. Alguns deles americanos e situados no seu território. Não me consta que a qualquer dos seus directores tenha sido passado mandato de captura, nem que as publicações tenham sido impedidas de circular. Mas a Wikileaks viu ser-lhe negado alojamento e congelados fundos. No entanto nem um nem outros estavam sob jurisdição americana. A acusação de traição é, no mínimo patética. A não ser que todos agora estejamos obrigados à nacionalidade americana, só para os deveres, como pode ser acusado de traição à pátria americana um homem que tem nacionalidade australiana? Que obrigação tenho eu, cidadão português, residente em Portugal, de respeitar as interdições do direito americano para americanos em terras da América? A inversa é verdadeira? Ah! Não é? Então está tudo dito e passem os senhores muito bem!

E a pressa subserviente com que a justiça inglesa actuou para a prisão de Assange baseada em duvidosas acusações? Ao que foi informado numa das acusadoras de abuso sexual terão sido identificada equívocas ligações à CIA. E que o não fora! Não é despiciendo, para bom julgador, lembrar-se que estas acusações são recorrentes. Aparecem quando são lançadas informações perturbadoras no “site”. São arquivadas quando o efeito desaparece, para de novo, mal novas informações sejam publicitadas serem prontamente agitadas. Muito conveniente, não vos parece? Não posso deixar de comparar esta pressa com os vagares da prisão e extradição do celebérrimo Vale e Azedo que, há quantos anos, se arrasta pelos tribunais deixando-o livre para continuar a cometer as barbaridades que lhe conhecemos. Viva a libérrima Inglaterra!

Arrepiante é no entanto a pretensão vigente no pedido de extradição de Assange para os Estados Unidos! A que propósito seria ela extraditado? Não é cidadão americano. Não cometeu qualquer crime em solo americano e sob alçada das suas leis. Não roubou os documentos (foram-lhe entregues) e os mesmos são de inegável interesse informativo e probatório sobre o tipo e apodrecimento das relações diplomáticas e políticas, bem como do degradado carácter moral desses seres que pretendem governar-nos e dirigir. São incomodativos? Lá isso são. Basta que se não tenha a consciência limpa e incomodarão mais que piolhos na cabeça de alguém sem mãos para se coçar. Este é verdadeiramente o problema. A opacidade permite a mais completa dominação. Há seres e coisas que a luz destrói. Nós estamos rodeados deles. No receio de verem-se a descoberto perdem as estribeiras e atropelam todas as leis, todos os valores que apregoam e, desvairados gritam: “liquide-se Assange”.

A resposta está a ser dada. O movimento suplantou o homem e, mesmo sem ele, continuará. A criação de “sites” espelho, o aparecimento espontâneo de acções contra que tenta coarctar o direito ao conhecimento estão em campo. Desta batalha, que não se pode separar da grande convulsão que agita o mundo, serão colhidos resultados. Se eles são a favor ou contra a liberdade e a dignificação do homem é coisa que ainda se verá. Por mim está escolhido o campo em que me baterei. Decida-se V.Ex.ª. de que lado está enquanto o tempo lhe der ainda essa possibilidade.

Finalmente uma palavra de compreensão para Obama. Tudo lhe corre mal. As boas intenções esbarram contra os maus interesses e ele, mesmo que queira, pouco pode fazer. Afinal ele é o presidente dos americanos. Destes americanos!



Publicado in “Rostos on line” – http://rostos.pt

novembro 30, 2010

As duas panelas



Duas panelas, uma de ferro e outra de barro, por proximidade de funções, tomaram-se de amizade. Um dia, num dos passeios que frequentemente davam juntas, chegaram a um terreno pedregoso. Para atalharem caminho propôs a panela de ferro que o atravessassem, que já o sol ia alto. Temeu-se do agreste do sítio a panela de barro. Objectou que seria melhor chegar um pouco mais tarde e não se arriscarem por tão perigoso local. Consciente da sua robustez disse a panela de ferro que nenhum risco adviria daquelas pedras inertes do caminho.
- Pois, para ti não há perigo que és de ferro, mas eu, que sou de barro, se escorrego e embato contra qualquer daquelas esquinas aceradas, despedaço-me.

- Não despedaças nada porque te vais amparar em mim.

Dito e feito. Apoiando-se na panela de ferro lá se aventurou a entrar naquele terreno perigoso. Alguns passos dados a nossa frágil panela tropeça. Para não cair procura o amparo da sua amiga. Pressurosa, esta, apressa-se a dar o seu arrimo. Nesse momento, porém, ao apoiar-se na panela de mais forte material a pancada da junção fez estilhaçar a pobre panela de barro.

Desta história, lida algures num livro da instrução primária, retirava-se a lição de “cada qual com seu igual”, o que estava muito de acordo com a moral dos tempos. Se a ressuscito agora, é porque, com um enfoque diferente e mais alargado, ao observar o comportamento do nosso país na União Europeia, a imagem parece ganhar forças e adequar-se aos acontecimentos.

Saudei, de um ponto de vista meramente pessoal, a entrada na Comunidade Europeia e, posteriormente, a adesão à zona Euro. Nesse tempo, mercê de actividades profissionais, deslocava-me com frequência ao estrangeiro e a passagem de fronteiras e o câmbio de moedas eram um verdadeiro aborrecimento e perda de tempo. Por isso me entreguei de corpo e alma à ideia de união. Devo porém confessar que de tempos a tempos, incómoda, me passava pela cabeça a história das duas panelas. A perda das pescas, da agricultura, o encaminhamento para um mercado pouco qualificado de prestação de serviços e a subida de preços causada pela introdução do euro foram campainhas de alarme a soar no meu espírito. Mas eu não as queria ouvir. Encandeado com as facilidades pessoais achava incómodo e retrógrado os chamamento de alerta que alguns – poucos – iam fazendo. Pensava mesmo que eram uns chatos. Não queriam evoluir e agarravam-se a modos passados de vida. Como a crise veio agora demonstrar eu é que estava enganado. Passado o tempo da sedução a realidade acorreu, brutal, reclamar o seu pagamento. Olhámo-nos e vimo-nos mais pobres, de soberania diminuída e sem possibilidade de influenciar as grandes nações que decidiram criar uma Europa só para elas ou, pelo menos, onde elas dominem todas as outras. Descalços e rotos, de chapéu na mão, rogamos à porta da festa nos dêem uma côdeas para não perecermos de fome. Mas, como não gostamos desta imagem, abolimos os espelhos e recobrimo-nos com os breves ouropéis que o crédito, durante algum tempo, permitiu. De resto, caminhamos, alegremente, para o abismo.

Reconheceu o FMI serem comuns as causas das crises de 1929 e da actual. A ausência de uma redistribuição equitativa, como causa de acumulação desmesurada num dos extremos da escala social e a concomitante falta de liquidez da maior parte, leva as populações a um endividamento excessivo, causador de desequilíbrios económicos e graves problemas sociais. Ainda bem que o FMI descobriu agora o que já todos sabíamos há muito tempo. O que me espanta é que tendo revelado esta verdade não tenha mudado em nada a sua actuação e continue, com os seus programas, a alimentar e libertar – de forma aparentemente suicidária - o monstro que descobriu.

Esquisito, não é?


Publicado in “Rostos on line” – http://rostos.pt

novembro 17, 2010

O Pensamento Selvagem



Em interpretação bastante livre atribui-se ao pensamento selvagem uma abordagem mítica da realidade, a explicação do actual por um anterior dourado, a função mágica da palavra. Mais sucintamente dizer ou desejar poderia ser o suficiente para fazer acontecer.

Recordaram-me estas antigas noções da Antropologia Estruturalista as palavras, ouvidas ainda na cama, ao acordar, de uma intervenção do Presidente Cavaco. Na sua rara eloquência e finamente recortada oratória, com a riqueza de imagens e a criatividade que o caracterizam mais ao seu discurso, dizia ele, de modo enfático, que como forma pessoal de combate à crise iria deixar de utilizar tal palavra nos seus discursos. Passaria, portanto, a referir-se a ela de forma enviesada como “os tempos”. Não me parece que os media tenham dado grande atenção a esta possibilidade de ultrapassagem do mal pela recusa da sua nomeação. Fizeram, portanto, mal.

Fizeram-no quando não perceberam que na incapacidade de diligenciar qualquer coisa de útil para aliviar-nos da dureza da existência, este homem reconhecidamente carinhoso, culto, livre-pensador e de discurso fluente como ribeiro primaveril, elaborou um estrénuo esforço para, magicamente, debelar a dor que nos rodeia. Espírito compassivo, farto de avisar, em vão, os políticos – que ele jura não é, não foi, nem será – para os perigosos caminhos que cegamente vão percorrendo, investido de uma força metafísica proveniente do sacro lugar que ocupa (mais por vontade de entidades sagradas que do votos expressos pelos cidadãos) lança, tonitruante, a sua voz, de preclaro poder emanado de altíssima fonte, como exorcismo capaz de modificar a mais abstrusa realidade. A partir deste momento, a crise deixará de existir. Ao ser solenemente abolida do discurso, por um desejo mais forte que o comum, não teve ela outra escolha que dissolver a sua consabida materialidade.

Este xamã dos novos “tempos”, descobriu, por mero acaso, as suas capacidades mágicas ao entrar em campanha para assegurar por mais cinco anos o seu sacro sacerdócio, a possibilidade de estender a sua bondosa vontade sobre o desditoso povo acima do qual paira e para o qual, nos anos anteriores, nada tinha a dizer, a fazer, ou nunca era o local apropriado para o Presidente se pronunciar fosse lá pelo que fosse. Descobriu portanto, agora a força da palavra. Se antes só se manifestava com veemência quando as coisas o tocavam pessoalmente – ver estatuto dos Açores ou a comédia das escutas – sabe agora que basta fazer os ritos purificantes, conduzir com unção a liturgia e o anátema ou a glorificação nascerão da sua vontade consubstanciada em miraculosas palavras que, de supetão, mudarão só por si, a face visível das coisas.

Há gente assim, com estranhos e maravilhosos poderes! Basta que um lugar - nunca desejado e sempre imposto pelo dever - surja na hierarquia do Estado para que eles surjam com seus poderes encantatórios capazes de, em passe mágico resolverem, de uma só penada, todos os problemas que não só não conseguiram resolver durante todo um mandato com, muitas vezes, foram as causas eficientes para o seu aparecimento.

No entanto, onde o verdadeiro poder do seu pensamento mágico melhor refulge é na certeza que se vai subtilmente instilando de que teremos de aguentar o personagem por mais cinco anos. Isto sim, é pensamento selvagem, é rito, é mito, é a evidência de que continuaremos na nossa triste senda de incapacidade de desenvolvimento e renovação, trocando a árdua tarefa da modernização e democratização dos espíritos e da sociedade por uma qualquer retórica, analógica ou de contiguidade, instituída em actuante feitiçaria resolvente de todos os problemas que afrontam o nosso bom povo.

Votem de novo no homem, votem! E depois queixem-se!


Publicado in “Rostos on line” – http://rostos.pt

novembro 05, 2010

Vejam só esta tremenda coragem





Pronto! Descansai corações o orçamento vai ser viabilizado. Exultai, pois portugueses, que os mercados, tendo em conta o consenso conseguido, irão atender as vossas piedosas preces e prescindirão do suave lucro a que se julgam com indubitável direito. Tudo isto porque o governo teve a formidável coragem de nos espoliar e o PSD, fazendo que tomava amargo e obrigatório remédio, de careta afivelada, pedindo desculpa aos seus maiores, num outro tipo de coragem, se irá abster, deixando assim seguir um orçamento de que ninguém parece gostar, mas a quem ninguém se ousa eximir.

Tanta coragem envergonha-me não só perante a minha evidente cobardia, como ante a impossibilidade de perceber a propalada inexistência de alternativas.

De facto, muito dificilmente eu conseguiria ser, como eles, um Robin Hood ao contrário. Falta-me o necessário valor pessoal - ou desfaçatez - para roubar os pobres para dar aos ricos. Compreendam! É uma falha de carácter que assumo. Nada posso fazer para a modificar e tenho de me habituar a viver com este peso na consciência. Nem mesmo o estrénuo exemplo do nosso primeiro, de tão aprimorado amor à verdade, consegue motivar-me para tão nobre cruzada. Sim, eu também li Giddens! Também eu tentei perceber a possibilidade de novas linhas de actuação sociopolítica. Só não entendo como, a partir dessas ideias, viemos parar neste absurdo onde as palavras mudam de sentido e o que se afirma é, por norma, o contrário do que se faz ou manda fazer. Esforço-me por compreender como é que um partido socialista, conservando algo do discurso de origem, se torna tão servil a teses neoliberais, produzindo um efeito perturbador de pessoas e conceitos, transformando em insegurança e descrédito o dia-a-dia dos cidadãos, turvando as convicções, tornando o mundo ilegível, transformando-o numa coisa, por desconhecida, ameaçadora.

Tudo isto começou, já referimos, com as generosas tentativas de Anthony Giddens de tentar uma via que não sendo o feroz neoliberalismo de Thatcher e Reagan, aproveitasse dele as ideias de liberdade e mercado o qual, com alguma regulação, deixaria sobreviver o mais importante do estado social. Se a tentativa foi generosa os efeitos deixaram muito a desejar: Clintton viu fugir-lhe o serviço nacional de saúde, uma das mais importantes bases da sua campanha; Guterres, em hora de lucidez, ao ver a que pântano tal casamento ideológico conduzia, desertou; Tony Blair caiu na guerra do Iraque, ao lado de Bush. Todos, de uma forma ou outra, acabaram dominados pelas lógicas dos mercados financeiros, pela coacção das deslocalizações, pelo menosprezo das gentes. Claro que num estado inicial eles interessaram ás forças movimentadoras dos capitais e do mundo. Aliás, em Portugal, o Partido Socialista sempre foi utilizado como arma para infiltração do inimigo no forte. A firme coerência dos mandantes mostra-nos que uma vez penetrado o reduto, por desnecessário, dispensam o servidor e procuram alguém que vista, sem rebuços, a sua cor. Eles, que leram a Bíblia, sabem que ninguém serve bem a dois senhores e lembram-se disso no momento exacto. Por cá, após o interregno tragicómico do desgoverno de Santana Lopes, lá veio Sócrates, menos informado e mais confuso, agarrar, a destempo, com os brilhantes resultados que se conhecem, o facho da terceira via. Presumo que, por mau entendimento e grande pendor tecnológico, numa analogia com os jogos de vídeo, pensou tratar-se da terceira vida. Daí a possível confusão que o leva a vangloriar-se despudoradamente da tremenda coragem necessária para coligir o triste esbulhamento que propôs à Assembleia. Dou comigo encanitado e retorcido a apelidar o governante de epítetos que nem a mãezinha, nem o padrinho, alguma vez pensaram chamar-lhe. É que acho enorme desplante e muito mau gosto vir alguém gabar-se por bater nos mais fracos. Penso mesmo que tal feito é apanágio de personalidade com baixa estrutura moral por quem só podemos sentir a máxima desconsideração. Faz-me lembrar aquele tipo que, numa roda de amigos, modestamente se gabava por ter dado uma valente surra num matulão muito maior e mais forte que ele. Ainda gozava da sua pequena glória quando um dos convivas perguntou: Mas esse tipo não é cego?

Esta pergunta inconveniente deitou por terra o mito da coragem do contador.

O segundo corajoso, de seu nome Passos Coelho caracteriza-se pelo heroísmo da responsabilidade. Tal significa para ele viabilizar o orçamento mas, para que não haja dúvidas, fazê-lo em claro repúdio pelo conteúdo daquilo que se obriga a aprovar. Sensibilizado por tão denodado sacrifício o povão vai em massa transferir o seu voto do malandro do esportulador para este novo actor de discurso tão amigo. Desenganem-se porém crédulos votantes de todos os candidatos errados. Descodifiquem-lhe o discurso e verão, por detrás da ambiguidade das palavras, que, na essência, ele defende o mesmo apertar de cinto que o governo. Apenas queria que tivesse começado antes e fosse mais fundo. Porque quando Passos Coelho se refere a cortar na despesa, não estará, porventura, a pensar na mesma despesa que nós. Para ele os cortes serão nas comparticipações patronais para a Segurança Social, debilitando-a por esta via, logrando assim a sua rápida decadência e substituição por seguradoras, apenas interessadas em utilizar o dinheiro dos pagantes para especulações financeiras, atendendo apenas aos seus lucros pessoais; quando fala em cortar despesas está a pensar em diminuir as verbas destinadas à educação, canalizando para escolas particulares - onde só terá lugar quem for pagante activo - todo o dinheiro que puder desviar do ensino público, condenando-o ao insucesso e à insignificância; visa ainda reduzir os postos de trabalho e vencimentos na função pública, cortar nas reformas, abrindo o caminho para que o desemprego resultante force as gentes do trabalho a vender a sua força por menor preço, aumentando o lucro do capital financeiro e reduzindo ao máximo, por anemia do Estado, a redistribuição de bens e valores pecuniários.

Este é o intuito salvador de Passos Coelho!

Entretanto, alegrai-vos corações que o orçamento vai ser votado e passará para execução, esperando estes nossos corajosos que os mercados, sensibilizados por tão baixo seguidismo, se condoam destas boas almas e deixem de especular com o valor dos empréstimos. Tanta ingenuidade põe-me parvo o espírito. A verdade foi reposta logo no dia da discussão do orçamento na generalidade. Aumentaram novamente os juros. E aumentaram ainda no dia a seguir atingindo de novo quase o nível máximo em que se tinham situado. Aumentarão ainda mais até atingirem os 7% indicados pelo ministro das finanças como limite para recurso ao FMI.

Ontem, numa entrevista dada pelo Primeiro-ministro à TVI, perguntado sobre a possibilidade de apelo aos bons serviços dessa instituição, com veemência e coragem, desautorizando mais uma vez o seu ministro, garantiu que nunca o FMI entraria em Portugal.

Conhecendo o valor das suas palavras já mandei limpar o fato com que irei ao aeroporto esperar a delegação que, por esta altura, já estará, certamente, a preparar as malas.

Publicado in “Rostos on line” – http://rostos.pt

outubro 20, 2010

Tramadex, S.A.










A primeira vez que tive a sensação de que estávamos a ficar “lixados” foi quando, no fim dos anos oitenta, integrando uma comitiva de dirigentes de empresas, visitei um centro de formação ligado às indústrias metalúrgicas. Trabalhava então numa grande empresa de Obras Públicas que mantinha um amplo sector de apoio metalomecânico numa imensa nave, onde o ruído de ferro contra ferro, guinchos de fresadoras e tornos, em conjunto com a movimentação de gentes ou máquinas, em ambiente escuro e polvorento, causavam sensíveis perturbações psicossomáticas a quem quer que ali se demorasse. Era o reino do fato de macaco azul, da multidão, da rudeza. Dos variados acidentes causados pela perturbação reinante.

Despertou a minha curiosidade, na visita, uma sala de bom tamanho, francamente iluminada pelas amplas janelas por onde o Sol jorrava sem entraves, onde duas filas de dez máquinas cada – de um lado tornos, do outro fresas - trabalhavam sozinhas, comandadas por dois jovens operadores, de imaculadas batas brancas, que digitavam descontraidamente números em dois computadores situados no início de cada uma das cadeias. Disse-nos o anfitrião que ali estava o futuro. Para além da supressão de mão-de-obra, estávamos perante uma forma de trabalho que não cometia erros de apreciação, que para além de produzir peças à medida e completamente idênticas, ainda calculava o melhor aproveitamento dos materiais. Como disse, percebi então, pela primeira vez, como o radioso futuro se preparava para nos tramar.

Dali saído, em cuidadoso relatório, chamava a atenção para o facto de não podermos deixar de nos actualizarmos e de como era urgente formar os trabalhadores especializados em semelhantes aparelhos para novos modos de produção. Além disso, do ponto de vista das pessoas, seria necessário determinar atempadamente o destino a dar aos trabalhadores restantes. Escusado será dizer que as minhas preocupações, tanto técnicas como sociais, caíram em saco roto. Por isso e outras mais coisas, a empresa foi deixando de ser grande e, como Nova no firmamento, explodiu gloriosamente extinguindo-se sem remédio.

A meio dos anos noventa levou-me o destino e a profissão para a China e Macau. A firma lusitana tinha sociedades com várias empresas chinesas, uma delas situada na região de Cantão. Num tempo morto de uma das minhas deslocações passeava-me pela zona comercial de uma, para os chineses, pequena cidade dessa região, quando vi um belo fato de bombazina verde que me cantou aos olhos. Entro na loja e por quinze contos comprei o fato completo, inclusive com um colete que nunca vesti. Passados uns dois meses, numa das viagens regulares que fazia à Sede da empresa em Lisboa, andando na Baixa, vi numa montra um casaco semelhante ao do fato que comprara. Curioso perguntei o preço. Quarenta e cinco contos! Só o casaco, retorqui. Sim, só o casaco! Pela segunda vez percebi o quanto estávamos tramados, com um futuro muitíssimo complicado a aproximar-se à revelia das nossas preocupações. Desta vez, porém, não disse nada a ninguém, porque de cassandrices já me chegava. Mas sabia, de fonte segura, que o patau nos cairia em cima sem delongas ou benevolências.

Esta gente que nos governa nunca quis, conseguiu ou pretendeu ver, ouvir ou perceber o que o mundo nos guardava. Provavelmente distraídos, certamente preocupados com o seu futuro próprio descuraram o que havia para fazer. Ao trabalho que lhes competia pelos cargos que exercem e a que por vontade própria concorreram, preferiram os faustos de uma emergência social aparente, sustentada sobre quase nada, não se importando com o que aos outros acontecesse desde que eles ficassem ou parecesse que ficavam bem. Por isso fomos apanhados sem defesa pelas crises que se amontoam e soam como trombetas de mudanças próximas, provavelmente cataclísmicas. Somo um povo manso até à inércia mas os rompantes violentos não nos são desconhecidos. Apenas vamos enchendo calados até ao desgarrado grito que já nada tem de racional, antes sendo vaga que arrasa tudo sem discernimento. Com as opressoras medidas que estão a ser tomadas, na crueldade de quem não pensa nos dramas que tais decisões comportam, quem se admira que por aqui, breve, rebentem inauditas violências nascidas no remorder de injustiças e danos causados por desprendidos mandadores?

Não quero de novo ser Cassandra, mas lá que os ventos sensivelmente se acumulam não tenho dúvidas. Que quem os pode amainar se precate e aplaque a prepotente pressão, porque os tempos ao tempo seguirão e desta vez pode ser que a antiquíssima prece sejam mudada e as gentes digam: Pai, nunca tu, nem ninguém, os ouse perdoar, porque eles sabem muito bem o que fazem!


Publicado in “Rostos on line” – http://rostos.pt

outubro 12, 2010

Que título darei a isto?




Sento-me ao correr dos ventos que fazem a tremulina dos rios e desespero com a ausência de angústia. Deveria, neste momento em que o devaneio se perde pelas áleas da escrita, arrepelar cabelos, dar pancadas no peito e, de olhos postos nos céus, desgarrar em grito desesperado: o que vai ser de nós?!

Oiço os nossos maiores, em funda preocupação interrogarem os tempos, tecerem rotas e caminhos por onde alguma segurança se insinue e recordo os olhares receosos, ou desesperados, de quem embate em inultrapassável parede. Acresce-me a culpa de já não conseguir preocupar-me com as suas preocupações. Contra minha vontade sinto-me distanciado, alheio, apenas me assolando os lábios do espírito um friso de indiferença traduzido num descabelado: e depois?

Se a graça da religiosidade me enfeitasse poderia justificar o meu estado de alma com o ensinamento bíblico de que não deve o homem preocupar-se excessivamente com as coisas terrenas porque nem uma pena cai de uma ave, nem um cabelo de qualquer cabeça, sem que tais acontecimentos não tenham sido previstos e queridos pelo senhor dos céus. Mas não tenho essa desculpa e não descubro como encarar os acontecimentos com o devido estado de preocupação e seriedade com que os mesmos deverão ser enfrentados. Sinto-me, por isso, quase como um pária ou, querendo ser mais simpático para mim, como um monge budista olhando o tremular dos rios deixando a corrente levar os pensamentos até à extrema intensidade do alheamento.

É assim que me sinto. É assim que me contemplo. É assim que estou!

E no entanto, sexta-feira, dia 15, já tão depois de depois de amanhã, o governo entregará na Assembleia da República o Orçamento Geral do Estado no qual, dizem, repousa o perigo de mil caixas de Pandora. Da sua aprovação, parece, dependerão o Sol e a Chuva, o Outono e o Verão, a felicidade ou o estéril tempo da derrota. Com ele, diz-se, continuará o tempo com os sobressaltos que lhe cabe; sem ele a derrocada final de um indescritível Armagedão tombará, insano, sobre as nossas culpadas cabeças. Entre o descrédito e o arrependimento serão os homens colocados e julgados. Enquanto o terror se insinua no verbo dos arautos eu, estranhamente, continuo discreto e indiferente.

Nem mesmo a terrível ameaça da chegada do Fundo Monetário Internacional (FMI) me acabrunha. Estou insensível, talvez indiferente, certamente anestesiado. Tal catatonismo invadiu-me por excesso de preocupação. No início da crise procurei, por todos os meios compreende-la, dominá-la, ultrapassá-la e, piamente acreditei que do grande fragor alguma coisa de novo aprenderia a humanidade. Porém, quanto mais se agravavam os actos mais eu via que se agraciavam os culpados e se castigavam as vítimas. Percebi que por misteriosos jogos de espelhos as imagens chegavam virtuais, invertidas, transmutadas. Aos industriais que arruinavam os seus países, por deslocalizações gananciosas das suas indústrias e investimentos para zonas onde a exploração da miséria lhe garantissem maiores ganhos, eram entregues os poderes para resolverem, a favor dos povos, estas movimentações. Eles arreganhavam a taxa e serviam-se destes favores, desculpando-se com hipócritas contrições, para incrementarem o fluxo dos seus roubos da prosperidade dos outros, espalhando miséria ao engordarem enormemente os seus cabedais. Embriagaram, na mentira do podes ter tudo assim o crédito de alumie, os incautos pagantes os quais, agora, por mais que queiram, sem depósitos nem emprego, não têm, não pagam, não podem, mas conservam as obrigações e, perante os financeiros, ficam com a cerviz mais dobrada que o habitual. Para garantir o fluxo financeiro os governos retiraram o que ao povo ainda restava e entregaram aos génios das finanças para que eles pudessem continuar, sem qualquer emenda, antes mais forte e intencional, o jogo especulativo em que poucos enriquecem fazendo os muito cada vez mais pobres e carregando-os, cada vez mais, de miséria e complexos de culpas.

Se assim vai o mundo, pior vai o país. Pequeno e devedor tem, na maioria da sua classe política, um grupo de predadores somente preocupados que o seu prato de lentilhas seja abundante e suculento, ainda que para isso fiquem os pratos dos outros encardidos de míngua. Entregaram, venderam, puseram à disposição dos seus patrões o tudo desta Nação esperando a migalha tombada da mesa dos senhores. Dizem agora aterrados, que sem eles o mundo desabará, o Sol não percorrerá a sua rotas e, continuando a parafrasear Brecht, o trigo não saberia como crescer. Outros, com o mesmo fito, mas contrários nos seus interesses dizem o mesmo acrescentando, no entanto, que só eles poderão levar a nau a bom porto; que aqueles que estão no poder são incapazes e irresolutos, que só eles, usando e abusando das mesmas medidas, serão capazes do bom conseguimento das coisas. Ambos ameaçam o caos se os não apoiarmos e, papão dos papões, virão os estrangeiros decidir o caminho do País.

Morre-se de ridículo nas praias de Portugal. Como se não fossem já os estrangeiros a decidir do nosso destino. Como se as medidas preconizadas não fossem já decididas por estranhos. Como se eles não fossem os intermediários dos países poderosos da Europa pouco comunitária. Vivendo na ficção do seu poder querem-nos cúmplices da sua manutenção ou conquista. Capatazes de forças que não dominam babujam os restos e pensam-se convidados para o banquete. Só por trágico não dá vontade de rir. Que diferença faz para nós ser o Governo, o FMI ou a Oposição a aplicarem garrotes aos feridos, se a técnica, intenção e resultados são os mesmos? Passando o orçamento a nossa vida melhora? Com as medidas que preconiza certamente não e, não será forte adivinhação preconizar que virá ainda a ser pior. Então que nos importa quem ministra o veneno? Deixem-nos com as suas guerras de alecrim e manjerona e percebamos, finalmente, que neste paradigma não há lugar para o bem público. Que se esganem as feras entre si. Deixemos olimpicamente que se destrocem pelo osso que lhes é atirado e pensemos seriamente naquilo que verdadeiramente interessa.

É por isso que, no momento me sento ao correr dos ventos que fazem a tremulina dos rios e nem sequer já desespero com a ausência de angústia.

Publicado in “Rostos on line” – http://rostos.pt

outubro 01, 2010

Parabéns! Estamos 20 % mais pobres.




Uma vez mais o inefável engenheiro veio dar mostras públicas do infinito amor com que brinda os seus concidadãos. Pensam que ele escolheu o caminho fácil de criar postos de trabalho, melhorar o nível de vida, de saúde ou de educação cá do pessoal? Claro que não! Isso seria um percurso demasiado acessível ao estrénuo respeito e amor que o seu coração (agora, vejam bem, apertado por tais medidas) recusaria percorrer. Sim, porque ele, no seu infinito saber, vê mais longe que nós e percebe aquilo que nem nos passa pela cabeça.

Num dos seus cursos de domingo aprendeu, para felicidade de todos nós, que nada vale ao homem conquistar toda a glória do mundo se perder a sua alma. Espírito nobre e desafecto das coisas do mundo, tremeu, na sua imaginação, ao vislumbrar a sofrida eternidade deste povo pouco esclarecido e tão entretido com pequeníssimas preocupações terrenas tais como arranjar trabalho, garantir-se a si e aos seus as refeições diárias, pagar contas de serviços, enfim, mesquinhamente, sem olhos de grandeza futura, apenas sobreviver. Decidido a garantir-nos no advir um lugar na eternidade do Senhor, bem postados à sua direita, matutou sobre os pecados cardiais e sobre as virtudes teologais e, tal Santo Agostinho converso, resolveu sacrificar-se por nós todos, apontando medidas de bom e útil sofrimento, para escarmento da alma, pois é bem sabido que é mais fácil passar um camelo pelo buraco de uma agulha, que um rico entrar no Reino do Céu.

Para tanto, com o imo em sangue, mas fortalecido, pela graça do Senhor e pela bondade das suas intenções, informou o povo, de alguns sacrifícios, pequeníssimos tendo em conta o antevisto benefício, a que iria ser sujeito com vista à salvação da sua alma de molde a podermos, todos sem rebuço, comungar da felicidade eterna prometida a todos os deserdados e pobres de espírito. Assim, decidiu, amorosamente, empobrecer-nos cerca de vinte por cento.

Alto aí, dizem-me alguns espíritos despertos. O santo só disse que iria cortar uma média de 5 por cento no vencimento dos funcionários públicos. E, acrescentam, toda a gente sabe que eles são uns sibaritas e uns fariseus. Não, esclareço eu, o que ele não quis foi assustar-nos com a verdadeira dimensão do sacrifício. Como sabem ele tem um íntimo solidário e generoso e sabe bem como os vulgares mortais estão agarrados aos bens materiais. Por isso decidiu, com suprema inteligência e bondade, pôr-nos o comprimido disfarçado no doce para que o tomemos sem refilar com o seu amargor. Preocupação de pai amantíssimo, acrescento, que sabe que o filho tem de tomar o remédio amargo para a sua salvação, mas tudo faz para que o ordálio lhe seja mais leve. Abençoado seja!

Deste modo, ingénuos como sabe que somos, serviu-nos, para nosso alívio, as fezes em pequenos tragos sumativos. Acompanhem-me, por favor, neste raciocínio que poderá abrir-vos os olhos para a grandeza espiritual do nosso líder sagrado. Distribuindo parcelas por PECS e por medidas orçamentais informou-nos, com inusitada benevolência, de que iríamos ser aliviados, através do IVA de três por cento do nosso pecúlio. Acrescentando os cinco por cento – em média – de corte de salários (sei que é na função pública mas tenho fortes esperanças que o sector privado, a bem da temperança, não deixe de seguir tão nobre gesto) o que perfaz oito por cento. O aumento de desconto para a segurança social será de uns míseros um por cento e lá ficamos com um resultado de nove por cento. Considerando que, pelo menos durante quatro anos o distinto cavalheiro nos irá aliviar do pesado fardo dos aumentos e podendo considerar uma inflação média no total de oito por cento, calculamos que os dezassete por cento seja um número plausível. Os restantes três por cento? Penso que serão pouco para fazer face ao aumento de IRS pelo corte nas deduções, pelo custo dos cortes em educação, actos médicos e medicamentos. Lá temos os nossos vinte por cento de sacrifícios que, tendo em conta que a Igreja só pedia a dízima, é o dobro do que o Senhor exigia. Têm pois alguma dúvida que pagando mais o nosso sacrifício não será garantia de um melhor lugar no paraíso?

Por isso eu agradeço ao senhor engenheiro e ao senhor doutor das finanças o favor que me fazem e exulto por saber que estou a garantir, por um preço tão baixo, a eterna felicidade. Tenho é muita pena dos ricos que escapem a estas medidas porque eles viverão no sofrimento e na danação eterna. Espero apenas que o Senhor e o senhor engenheiro lhes iluminem os dias e façam o milagre de garantir o nascimento, todos os dias, de legiões de pobres em que eles possam exercer a sua caridade proporcionado-lhes o seguro viático para mansão celeste.

A despropósito! Apetece-me ouvir a Canção de Madrugar do Hugo Maia de Loureiro. Vão ao YouTube e onde se canta amor ponha-se liberdade, justiça ou equidade e perceberão o que o Ary queria dizer e o que estamos a precisar nesta era de tamanha religiosidade.



Publicado in “Rostos on line” – http://rostos.pt

setembro 21, 2010

A Consulta





Despejou-se como um saco de vento na cadeira. A pequena mesa do café estremeceu com a violência da abordagem e aquietou-se com o último Uff!! do Belegário.

- Sou uma besta! Um ingénuo inveterado. Só mesmo eu! Parvo, parvo, parvo!

- Então homem, que desatino é esse? Deixa de tratar mal, na minha frente, o meu amigo Belegário. Que mal te fizeste para estares assim?

- Maldito voto entregue de mão beijada àquele patranhas. Eu já sabia que o melro era assim, porque é que me deixei cair, de novo, na sua conversa mole? Merecia que me rachassem a cabeça. Mas o pior é que não sei para onde me voltar. Tu sabes que eu sempre defendi o Estado Social. É uma coisa bonita. Limpa. A gente sabe que paga mas tem a certeza que quando está à rasca, lá tem a rede de protecção a minorar o desespero das más horas. E essas, até o mais pintado as tem. Pois ando rabeado com as ideias do Passos Coelho de destruição dos apoios sociais e da entrega de todo o futuro aos privados. Nem sei como ele, com os exemplos desta crise, não cora de vergonha ao fazer tais propostas. Entregar tudo nas mãos de quem pode especular e, num ápice, reduzir a cinzas as economias de tantos cidadãos deveria merecer punição criminal. Não se diz a ninguém, com seriedade, para ir pôr o pescoço na guilhotina porque o carrasco é de confiança. Que ele tal defenda não aceito mas compreendo. É lá a ideia dele. Não vou nela mas, ao menos, ele não me engana. Se lhe der o meu voto sei ao que vou e se me acontecer algum mal, fui eu que, de certo modo o escolhi. Agora, ouvir alguém dizer, de praça em praça, contrariando o discurso do Passos Coelho, que defende o Estado Social, fazer continuadas juras de amor a esse Estado e a seguir proceder de modo a estrangulá-lo, por falta de vontade e meios, isso é que já não aturo!

Parou para respirar, bebeu um gole da minha água pelo meu copo, enxugou os lábios com as costas da mão e disparou:

- É tal a minha ingenuidade que, tendo o meu médico de clínica geral passado à reforma, disse cá para mim: Belegário, tu descontaste toda uma vida para a Segurança Social. Nunca utilizaste o seu serviço médico. Por comodidade sempre preferiste a medicina particular; aproveita agora a reforma do teu médico assistente e vai ao posto marcar uma consulta de rotina. Simples, não é? Como eu até sou dos felizardos que têm médico de família estava convencido que eram favas contadas. Peguei no telefone e informei-me. Elementar! Disse-me o funcionário do outro lado da linha. Amanhã, entre o meio-dia e as duas da tarde, telefona para este número e marca a sua consulta. Vituperei logo ali quantos, por pura maldade, eu pensava, diziam mal dos esforços de modernização dos serviços públicos. Vejam só, tão fácil. Um simples telefonema e lá ficava garantida a minha consulta. Nada das longas filas de espera para não se conseguir nenhuma consulta apesar da permanência, das cinco às nove da manhã, em condições degradantes. Isto era o progresso. Isto sim, era bom serviço.

No dia seguinte, pelas treze horas, telefonei para o posto. Tenha paciência, respondeu-me a voz da impotência. Para amanhã já estão as consultas todas preenchidas. Certo! Já fui tarde. Amanhã telefono mais cedo. E telefonei, no outro dia, mesmo em cima das doze horas para um telefone que durante quarenta e cinco minutos moldou a irritante intermitência do sinal de impedido. Um quarto para a uma. O telefone, finalmente, chama. Espero cinco minutos e nada. Ninguém atende! Aguardo mais cinco minutos, o mesmo resultado. Se calhar enganei-me no número. Marco outra vez. Mais cinco minutos de espera e, por fim, uma voz cansada retira-me a esperança. A agenda está cheia. Tente amanhã. Se eu for aí pessoalmente posso marcar a consulta para outro dia qualquer? Isso é com o meu colega. Nada sei da Agenda de longo prazo. Pode ligar-me ao seu colega para me informar. Não, não posso. Tem que vir mesmo ao posto. Para quê, pergunto eu que só queria uma informação. São regras! Pronto! Enganei-me, afinal as mesmas iníquas regras ainda se mantêm. Para a Segurança Social não sou um cidadão que recebe o que por direito merece. Eles fazem o favor de me concederem o que eu paguei já, antecipadamente, com milhares de euros. Para conseguir a consulta vou ter de me humilhar e sofrer. Só depois é que, cristãmente, serei merecedor da esmola que o Estado me concede. Não! Não aceito isto. Amanhã vou ao posto e vão ter que me marcar a consulta.

Fui ao posto. Identifiquei-me e disse ao que ia. Nada a fazer elucidou-me o funcionário. A agenda de longo prazo está fechada. Já tem marcações até Novembro e não aceitamos mais. O que é que eu faço? Amanhã, entre as 12 e as 14 horas telefone para este número para marcar consulta para o dia seguinte. Isso já eu estou a fazer há um ror de dias. Pois é, encolheu os ombros, cada vez temos menos médicos e mais doente. Assim as coisas não funcionam. Mas o que é que eu posso fazer para marcar a minha consulta? Já telefonei. Não consigo. Venho aqui e fico na mesma. Isto parece-me um círculo vicioso. O que é que se pode fazer mais? Nada, disse o funcionário voltando a encolher os ombros. Cada médico tem mil e seiscentos doentes, o que é que se pode fazer? Está bem, disse, posso ao menos extravasar a minha fúria fazendo uma reclamação. Não ganha nada com isso. Não é para ganhar, é só para desabafar. Porque é que não vem cá amanhã pelas oito e meia e tenta falar com o médico?

Tentei.

Para além do pessoal com consulta marcada mais dez indigentes, como eu, esperavam para falar com o médico. Como outrora tinham acampado, pela madrugada, à porta do posto tomando vez para conseguir a consulta. Afinal nada tinha mudado. A modernização era aparente, a desburocratização era uma treta. Como sempre a paciência do indígena era posta à prova e só os mais perseverantes, ou necessitados, aguentavam aquele ritual punitivo.

Então o que fizeste?

Ora, o que é que havia de fazer. Perante tamanha impossibilidade desisti da consulta, não fiz a reclamação e vim-me embora. A propósito, conheces algum bom clínico geral a quem possa comprar uma consulta?


Publicado in “Rostos on line” – http://rostos.pt

setembro 07, 2010

Oh, God! Que nojo!






Como Vossas Excelências muito bem sabem o homem é um animal de hábitos. Quer isto dizer que vai construindo a sua vida sobre uma série de costumes, adquiridos ou transmitidos, que se colam à sua pele e, no decorrer dos tempos, passam a definir o que é “natural” e o seu contrário. Deste modo, o “outro”, o que tem hábitos distintos, é sempre um ser estranho e, por tal, muitas vezes ameaçador. É nestes julgamentos primários que repousa a génese do etnocentrismo e, quando muito ampliado, chega-se ao mais refinado racismo.

No entanto uma convivência mais próxima leva-nos a ganhar compreensão pelos modos do outro e, muitas vezes, apoderamo-nos de alguns dos seus comportamentos os quais passarão a fazer parte da nossa panóplia de usos e assim integrados ganharão o estatuto de naturais. Como tudo na vida a contaminação cultural pode ter aspectos positivos e negativos. Consideram-se positivos quando enriquecem o conteúdo das nossas vidas ou representações, passam ao grupo contrário na situação inversa.

Toda esta divagação vem a propósito de um episódio de férias bem ilustrativo das contaminações culturais e da forma como as gentes as vêem e interpretam. Conto, para ilustrar, o que aconteceu no restaurante de praia onde almoço regularmente.

Apeteceu-me naquele dia deliciar-me com uma bela cataplana algarvia. Cauteloso, porque já me escaldara várias vezes, perguntei à simpática dona do restaurante se por acaso ela punha natas na cataplana. Tranquilizou-me de imediato o seu ar, mais que de espanto, de completa incredulidade:

-Natas na cataplana? Oh, God! Que nojo!

Logo ali estabeleceu a genuidade da sua cozinha tradicional exaltando a qualidade do peixe e marisco utilizados – vindos do pescador – do azeite da melhor qualidade, dos tomates e cebolas provenientes de horta própria. Descansou o meu coração perante tais mostras de genuidade e antevi-me no gozo pantagruélico daquele cozinhado lento em que os ingredientes se misturam numa química de sucos deliciosos e, como elucidado fui, de grande qualidade. Para não estragar o sabor e o apetite decidi passar o tempo de espera sem tocar em aperitivos ou entradas, totalmente livre para os esperados sabores. Entretive-me a olhar o mar e aguardei por um tempo infinito que a comezaina se aprontasse. Quando o desespero já me fazia pensar se devia ou não forrar o estômago com qualquer coisita chega, triunfante, a famosa cataplana. Devo dizer que ao ser aberta os odores inebriantes se fizeram sentir de imediato transformando em verdades intransponíveis a propaganda da senhora. Mas, pecado dos pecados, sobre a rescendência e as cores brilhantes do conteúdo, uma horrível mancha amarela destruía toda a cataplana. Em cima, nadando no molho, uma imensidade de batatas fritas coroava impudicamente o meu prato de eleição. Percebendo a desilusão que se me estampava na cara, onde eloquentemente transparecia um outro Oh, God! Que nojo, atalhou a minha hospedeira antes que eu pudesse dizer qualquer coisa: É assim que os estrangeiros querem!

Tive de fazer uso de toda a minha capacidade de análise antropológica para não dizer uma asneira das grandes.



Publicado in “Rostos on line” – http://rostos.pt

julho 06, 2010

memórias XXIII - mensagem




I
constrói um pouco da coluna
que nos dias ergue o sol

abraça as cordilheiras do tédio
o prado esmaecido pela brisa do lago
as espantosas chuvas que se oferecem
ao chamamento das aves

sobre o fio da música repousarás
asa que destapa o sonho e enfrenta
o vórtice do vácuo

as palavras irisdecem nos céus de estrelas em febre

II
só o imaginário é virgem de magníficos sem fins
significâncias com que a voz agradece o dia
substância correspondendo ao sentimento das águias

tudo é aquilo que é sendo outra coisa
o caminho tende à compreensão do infinito
à inqualificável magia de viver
como se viver
não fosse mais que estar vivo e recomeçar

III
por onde ainda iremos na frescura das manhãs
como o vento como o barco como o barro
donde consta o homem foi moldado
em perfumes de inconsutil finitude

tudo está em nós e se prolonga
diferentemente em outras consciências
tal mãos sonhando a casa por nascer

a controvérsia fio de afirmação
traça à luz dos discursos a vela de iluminar rotas
exacto momento de equinócio
diáfanas relações de vento e água
excluindo as evidentes chuvas de inverno
emersas da zanga natural dos tempos

numa precária espera de espaço
a minha balança de eixo desviado
equilibra a pequenez azul e brancamente franjada
do repouso em todas as direcções

não há outra escolha que o movimento
abracemos então a dança dos fantasmas e transportemos
o longe para o perto que por não o ser
sempre será

amanhã

junho 18, 2010

Como se fora uma carta ao Director




Quiseste, Director, dar-me um valor, ou uma preponderância, que não possuo e, na Carreira 7, Horário 14,06, presenteaste-me com o imerecido prémio de uma local noticiando a minha renúncia à Concelhia do Barreiro do Bloco de Esquerda, por discordar do apoio à candidatura de Manuel Alegre e informando que o meu casto voto seria entregue ao Dr. Fernando Nobre.

Agradeço a importância que consignaste a este gesto, confirmo a tua notícia, sendo no entanto imperioso que esclareça que a minha posição, para as presidenciais, não é tão definitiva como pode transparecer da notícia.

Em 22 de Fevereiro publicaste a minha crónica “Baralhar e dar de novo” onde tentava analisar as três possíveis candidaturas à Presidência da República. Nela, em resumo, apresentava a possibilidade de Cavaco Silva voltar a ser reeleito, a desilusão causada pelo actual posicionamento de Manuel Alegre e o sopro de esperança que, presumia, viesse a ser a candidatura independente de Fernando Nobre. Salientava também que no xadrez político a situação de Alegre se alterara e era, agora, semelhante à de Mário Soares nas eleições anteriores. Presumia, ainda, que o capital de esperança poderia vir do Presidente da AMI. Os tempos deram-me, em parte, razão.

Posteriormente em 12 de Maio, em “Crise, Papa e Fernando Nobre”, igualmente publicada no Rostos, mostrava a minha angústia e desilusão por alguns posicionamentos de Fernando Nobre, pondo, se bem te lembras, o meu voto no mercado, em jeito de leilão, para ser entregue a quem por ele fizesse licitação maior. Até agora ninguém ofereceu nada, o que demonstra bem o valor da minha vontade.

Postas esta questões de principio voltemos à razão desta crónica. O meu desacordo com o Bloco de Esquerda é apenas conjuntural e em duas questões: candidato presidencial e Terceira Travessia. No resto, continuo indefectível apoiante e pronto para dar do meu esforço na parte possível e necessária. Esclareço também que, pelo facto de não apoiar a linha oficial nada de extraordinário me aconteceu no partido. Não só temos o direito de tendência, o exercemos e não somos perseguidos por isso, como sermos aderentes deste partido não exige de nós qualquer acefalia seguidista. Ao entregar a minha militância não entrego, conjuntamente, a inteligência e a capacidade crítica. Antes pelo contrário a minha crítica torna-se mais efectiva ao ser discutida e amplificada nas estruturas partidárias. Por isso, dentro da coerência exigida a quem quer ser sujeito das suas posições e destino, considerei, embora nada a isso me obrigasse, que seria correcto deixar o lugar que ocupava na estrutura partidária. Assim, renunciei, livremente, ao cargo, de tal não ficando com arrependimento pessoal nem com distanciação ao Partido e Camaradas.

Já no que a Fernando Nobre respeita, a local não levou em atenção a matéria desta última crónica.

Ao longo do tempo fui detectando, em discursos e posições do candidato, algumas debilidades, uma ou outra ingenuidade, certa inconsistência e o chegar de companhias pouco recomendáveis. Não acreditando que, por toda a sua história de vida, seja o Dr. Fernando Nobre alguém que se deixe instrumentalizar facilmente, a verdade é que à sua volta, procurando influenciar as suas flexões, adejam aves nocturnas com o ínvio propósito de apenas coarctarem as possibilidades de eleição de Manuel Alegre. Ora, não votando em Alegre, não me agrada fazer parte de vinganças pessoais de gente rancorosa, para quem a amizade deixa de fazer sentido sempre que qualquer divergência se opõe à vontade sacrossanta do patriarca.

Entretanto os tempos exigem-nos maior reflexão e grande cautela nas escolhas a fazer. Os posicionamentos de Passos Coelho – enquanto previsível futuro primeiro-ministro - se potenciados por um Presidente de similar ideologia, podem fazer perder, em pouco tempo, o que levou décadas a construir. Não tenham dúvidas de que um poder assim constituído se sentirá livre para atacar todos os direitos dos trabalhadores. Tudo o que até aqui era discursos de valorização da pessoa no trabalho, volver-se-á em prelecção sobre os custos de mão-de-obra e a necessidade de liberalizar despedimentos. Será exigido o livre arbítrio do capital sobre o trabalho, conduzindo à moderna escravatura das massas populares. Vejam bem que ainda lá não chegaram e já, com a cobertura da crise, procuram ganhar mais terreno, retirando-o às conquistas dos trabalhadores, demonstrando claramente que a luta de classes nunca terminou. Apenas, em democracia e em alta económica, se mascara e, dissimulada, esconde-se até à próxima crise que a especulação capitalista venha a provocar e queira que as vítimas, mais uma vez, paguem.

Estando tudo isto em jogo no nosso País, vejo-me numa angustiante dúvida sobre o que fazer. Neste momento apenas sei o que não quero. Não descortinei ainda aquilo que devo fazer.

Quem me ajuda a esclarecer estas dúvidas?


Publicado in “Rostos on line” – http://rostos.pt


junho 08, 2010

memórias XXII - às vezes




I
era uma vez um barco
uma memória de fumo
uma criança no tempo
do vidro das tuas portas

navegando no teu rosto
volto ao local da esperança
onde o cais não foi marcado

aí dissimulo a luz
entre os lábios alinhados

II
quando o corpo nasce dia
sempre inocente o domingo
vem bater à minha porta
a gargalhar profecias

junto o fumo da memória
volto ao local da esperança
com um silêncio de voz
um barco livre de Outono
que dissimulo no cais

III
na linguagem a que se acolhe
só se cria o que não há
não é escritor quem se escolhe
nem o que dita a razão

mas se houver uma canção

conta-se às vezes no tempo
a memória do teu fumo
no corpo da minha porta
nos meus lábios alinhados

só ao domingo

cansado

junho 02, 2010

RIM e Coração




Estejam os meus amigos descansados que só por angustiado humor o título remete para a possibilidade de um fastidioso escrito sobre a anatomia do indígena. Na verdade RIM não é mais que o acrónimo de Recessão, Insensibilidade e Miséria, (fotograma impressionante do estado a que este desgoverno conduziu o País) e coração metaforiza o meu desconforto pelo recente ataque de Israel a barcos civis, em águas internacionais.


1 - RIM

Todos sabemos como os nossos governantes, de há muito, criaram um país virtual apenas existente nos seus privilegiados bestuntos. Nenhum de nós, com excepção dos apaniguados que sempre vêm apenas aquilo que lhes mandam ou convém ver, conseguiu, alguma vez, descortinar as excelências de um poder centrado no desvirtuamento da verdade, no desprezo pela palavra dada ou programa estabelecido, nos volte-faces, tão rápidos, e constantes que metade do país se constipou por causa da deslocação de ar causada por essas ventoinhas.

Depois de em maioria absoluta utilizar a crise geral para camuflar uma outra anterior e estrutural da nossa economia, servindo tais ardis para nada fazer, eis-nos lançados no mais desesperado PEC, com vista a resolver os grandes problemas da dívida externa, do crescimento económico e da percentagem do PIB. As medidas adoptadas, resultantes da visão de uma Europa ainda refém de decisores neoliberais e exigidas por estes com um forte puxão de orelhas a este transviado governo - com algumas veleidades Keynesianas - veio “felizmente” por as coisas no eixo. Esmaga-se mais aqueles que pouco têm, faz-se vista grossa a quem muito possui e pouco paga para o esforço geral da Nação e ala que se faz tarde. Num país em que o desemprego continua a galgar dígitos retiram-se os apoios considerados “indispensáveis” quando o número de desempregados era menor. Atira-se às cegas com o aumento do IVA quando propalam, aos setes ventos, querer aumentar as exportações; taxam-se os salários e reformas, em sede de IRS, e ficam de fora as mais-valias bolsistas, o lucro dos bancos, criando-se a ficção de que as empresas com proventos acima de um certo nível, sofrerão uma sobretaxa. É para rir ou é areia para os olhos? Não se está mesmo a ver que mesmo a maior parte da dúzia e meia de empresas que acedem a tais ganhos vão, subitamente, fazer obras, pagar dívidas no estrangeiro, etc… etc…, que não lhe permitirão manter essa margem de lucros? E se essas empresas fossem taxadas sobre o volume de negócios? Bem, isto sou eu a sugerir sabendo-se que de finanças sou como Jesus Cristo. É apenas uma ingenuidade…
Na verdade, o que as medidas tomadas recortam – quem o diz são economistas com provas dadas - é a continuidade de um ciclo imparável de cortes para diminuir o débito, os quais provocarão mais desemprego, o que, por sua vez diminuirá o poder de compra, razão pela qual mais empresas fecharão e mais gente irá para o desemprego, acrescentando mais miséria e menos compras. Estão a ver o diabo do esquema? Pois foi aqui que o nosso governo nos meteu e nos quer à viva força, com insensibilidade política e social, conservar.

Tenho ouvido argumentar que não era possível prever esta crise, que chegou até nós por causa dos disparates de “subprime”, que somos inocentes vítimas das circunstâncias, que o futuro é incerto! Pois é! Mas quando a Europa nos destinou para criados de mesa da comunidade não aceitámos a ideia? Não recebemos o dinheiro para desmontar a frota de pesca e deixar de cultivar os campos? Não aprenderam que um dos custos da periferia é o preço dos transportes? Que o custo do transporte de mercadorias e matérias-primas está na razão inversa da distância? Que os países do Leste estão geograficamente mais bem posicionados, que dispõem de mão-de-obra mais qualificada e mais barata? Nem mesmo quando a deslocalização se iniciou foram capazes de prever onde tudo isto iria parar? Se eu não fosse tão desconfiado diria que havia apenas burrice no caso…

No entanto Portugal não é um país arrumado. Se os sacrifícios necessários forem proporcionalmente repartidos e começarmos a pensar um poucochinho mais na colectividade e menos nas contas bancárias individuais, tudo é possível. Sem me querer armar em mais esperto que os outros, atrevo-me a produzir uns pensamentozinhos sobre as possibilidades da pátria.

Reconhecendo sermos um país periférico na Europa, e não querendo aceitar tal coisa como um inexorável destino de habitantes do dormitório europeu, como poderíamos dar uma volta a tudo isto? Em primeiro lugar compenetremo-nos de que periferia é, na época da informação global um conceito obsoleto. Podemos ligar-nos a qualquer lado material ou imaterialmente. O importante não é a distância mas sim o modo como se transpõe. Aqui estou totalmente – parece impossível – do lado do governo em relação ao TGV, Terceira Travessia, Aeroporto e plataforma logística do Poceirão. É que sabem, nos areópagos internacionais estão em preparação novas regras sobre as zonas de dominação marítima que nos irão ser francamente favoráveis. Poderemos reformatar a nossa política de pescas e com isso conseguirmos colmatar o pescado que importamos e, coisa admirável, criar excedentes para exportação em espécie ou transformados, revitalizando pescas e indústrias. E o regadio do Alentejo prometido com o Alqueva? Também poderia, com outra política agrícola, contribuir para a alimentação e exportações. Ou não? Querem ver que estou a ser parvinho de todo? E se o TGV transportasse, rapidamente, com menores custos económicos e ambientais, os nossos bens produzidos para o centro da comunidade? Vêem o jeitão que dava a alta velocidade e a plataforma logística? Então e os produtos pesados e de longa duração, produzidos no centro, não poderiam passar por Portugal e serem remetidos para a África e Américas através dos nossos portos de Lisboa, Setúbal, Sines e Leixões? E não poderemos ser nós, em relação a estes continentes, o Centro da Europa? Então porque é que não somos? Que negligências e interesses se jogam por detrás dos panos? Eu não tenho certezas mas não me faltam desconfianças!


2 – Coração

Nós, portugueses, temos um dilema muito sério. A maioria de nós terá, lá para os idos do tempo, parentes árabes e judeus. Querem apostar? Esta singularidade é perturbadora e incentiva a uma séria guerra nos genes. Por este motivo sempre estive bastante interessado na resolução do problema israelo-palestino. Não me apetece nada ter uma guerra civil no corpo. Por tal se me arrepanhou, mais uma vez, o coração ao saber da investida dos militares israelitas contra barcos civis. Há muito tempo que Israel se comporta como um marginal. O capital de simpatia que recolheu com o holocausto está esgotado e cada vez mais surge a imagem de algo que não se distingue muito bem do antigo opressor. É facto de que ainda não chegaram aos campos de extermínio em massa, mas estão a tentar. Bloqueiam, matam, usam meios brutalmente desproporcionados, não cumprem nenhumas das resoluções das Nações Unidas e parecem claramente dispostos a comprometer e alienar os seus poucos aliados. Utilizam para tal uma retórica tão falível como esta de atacar em águas internacionais navios de outros países – isto é como atacar o país a que o navio pertence – matam e gritam que foram agredidos! Começa a ser demais! Que Israel se lembre, a continuar a sua política agressiva e totalitária, que pode ganhar todas as guerras que puder e quiser mas, para desaparecer, basta-lhe perder uma. A continuar assim pode não demorar muito e lá ficará, no meu coração, o meu gene judio a baloiçar-se tristemente junto ao aurículo das lamentações.


Publicado in “Rostos on line” – http://rostos.pt

maio 19, 2010

memórias XXI - poema de leiria da tarde e de maria




I

a porta fechou
as praias são só areias
e os países naufragam nos jornais

correr correr e nem sequer é domingo
em que embrulho se meteu a vida
na tarde das naus

já leiria perdeu os seus pinhais e o pintor
em parte incerta desconhece que

a tarde só é tarde quando dói

a maria
olha a vida da confeitaria
em frente ao hospital

e ademais
lembrem-se dos que sofrem
aqui
é proibido buzinar

já leiria perdeu os seus pinhais

os poentes de outono
são das poucas coisas na minha terra
que não têm dono

II

por sua vez o tejo
encheu-me as unhas com parte de um poema

quando os lustres se acenderem
vou agarrar-te na alma e correr pelo rossio
depois da meia-noite
quando as orações são bruxarias
a instaurar a raiva dos centauros

desliga o telefone desligando a vida
porque hoje os faquires vão ao cinema

amanhã irei à florista saber a cor
onde os goivos habitam e
se o poema é a difícil revelação da verdade
não haverá janelas que me falem sobre o que faz
um homem sozinho na cidade

evidentemente

à tarde

maio 13, 2010

Crise, Papa e Fernando Nobre




Pronto, pronto, concedo! Vocês têm razão! Com os problemas da crise a baterem-nos à porta, deixando-nos meios gregos no meio desta confusão, com as ameaças às várias formas que se antevêem de diminuição real do rendimento disponível das famílias, com os desempregados a verem o subsídio a escapulir-se, o reemprego a ser coisa mirífica e a reforma cada vez mais distante e diminuta, porque carga de águas hei-de eu vir repisar teclas já tão batidas como a omnipresença e continuidade da crise, a visita do Papa ou a candidatura de Fernando Nobre à ainda distante nova presidência da república?

Que querem, são madurezas de espírito de quem, dirão os menos afectos a mim e aos meus escritos, não tem maiores preocupações. Tempo de sobra sem ocupação que se veja, pretensão inaudita de Catão provinciano, pequeno moralista protegido das agruras da realidade, pronto a sonhar utopias esquecendo-se que ter jantar na mesa, todos os dias, começa a ser uma preocupação para cada vez mais portugueses. Outros ainda, navegando por diferentes águas dirão que cada um tem o que semeia, que as desigualdades são naturais e que o bem ou o mal-estar de cada um apenas dos seus esforços depende e, nestes tempos de fausto religioso, poderão mesmo acrescentar, que deus dá a cada qual aquilo que merece. Sábias palavras e refinados conceitos. Apenas falham por serem requintadas mentiras utilizadas ao longo dos tempos por todos quanto têm alguma coisa a ganhar com a miséria e submissão dos outros. São realidades recorrentes que se aliviam em tempos de fartura e se carregam nas alturas das crises.

As sibilas do centrão arengam preocupadas sobre o excesso da dívida, sobre o exagero dos créditos às famílias, sobre o custo dos empréstimos e, consequentemente com a absoluta necessidade de cortar despesas e aumentar produções. Andam desesperadas a tentar a quadratura do círculo sem perceberem que se movem num rectângulo que condiciona não só percepção da realidade como, a sua colocação nesse espaço, os aprisiona à consabida e limitada visão permitida por tal perspectiva. Preocupam-se com aqueles que vivem miseravelmente de parcos subsídios permitindo, por isso, aos impantes governantes arrotar as magnificências do modelo social europeu e nada dizem, ou fazem, sobres as fortunas colocadas em “offshore”, os diminutos impostos pagos pela banca, a farsa das tributações das mais-valias em bolsa que, finalmente aprovadas, se “esqueceu” de incluir entre os taxados os grandes investidores, lançando, como cortina de fumo, o imposto sobre os pequenos e muito pequenos negociantes. Enfim, isto sou eu a falar e como sabem, não me podem levar a sério porque, dizem os livros que este senhores neo-liberais consultam, tudo isto não passa de mesquinhez de espírito conduzida por uma imensa inveja social. Vá lá, não sejam egoístas, pensem como estes abencerragens têm razão e predisponham-se, mais uma vez, a pagar com a vossa fome e as vossas necessidades o bem-estar, a ganância e o desperdício de tão ilustres personagens. É que eles detêm o pleno direito a terem o que têm e a ser como são. E mesmo que oficialmente se proclamem desafectos de igrejas e religiões, eles, lá no fundo sabem e agradecem ao deus das distribuições económicas, o direito sagrado que lhes atribuiu de viverem opiparamente sobre a desgraça dos outros. É a lei natural dirão e nisto esquecerão que a lei humana é a da cultura. De que as regras culturais, fundadoras das sociedades, deveriam ser o ultrapassar do tão jacente direito natural representado no domínio do mais forte sobre o mais fraco. No fundo, em nome da civilização e dos actos urbanos querem ver repostas, a seu favor, as desigualdades que dizem não aceitar mas que são o sal da sua vida, do seu estar repimpado nas espreguiçadeiras de uma injusta distribuição de riquezas.

Por tal, mais que risível, é extremamente ofensivo este constante atribuir de culpas, por aqueles que dirigem e dirigiram, aos pobres coitados que sempre sofreram as agruras dos descalabros por eles causados e nunca receberam benefícios nos “bons tempos” que os enriqueceram. Tal estado de coisas leva-me a remorder em solilóquio constante um “isto ainda acaba mal”. E é que vai mesmo acabar da pior maneira possível. Quando se corta no investimento, que poderia criar empregos, gastam-se milhões na recepção do senhor Ratzinger, o tal garante da pureza da fé de alguns padres pedófilos e o tenaz perseguidor e algoz dos padres que, no terceiro mundo, pregavam que sem a libertação e dignificação dos corpos não há almas que possam salvar-se. Por isso ele usa sapatos de conhecida marca e preço astronómico e trás vestido no corpo valores que dariam para alimentar, durante muito tempo, famílias inteiras. Não faz mal, é a humildade de Cristo que ele transporta nesta ostentação. Cá por mim penso que se o patrão dele for o que sobre ele consta este bom Papa já está tramado de todo. Como era mesmo aquela história dos vendilhões do templo?

E o que dizer dos nossos governantes “absolutamente laicos”, cumpridores eméritos da constituição que separa a religião do Estado e manda tratar todas as religiões de igual modo? Pois é! Como em tudo na vida, há religiões que são mais iguais que outras. Se calhar estou a ser demasiado ríspido nas minhas apreciações. É bem possível que por milagre, ou por mais terrena influência do Papa sobre os donos do mundo, as agências de “rating” decidam minorar os seus olhares de abutres sobre o nosso país. Pode ser que os donos do capital, que deslocalizam as empresas para onde não existe protecção para os trabalhadores, conduzindo nesse passo as suas sociedades de origem à degenerescência e miséria, se comovam com a demonstração de fé do bom povo e, por obra e graça da Senhora de Fátima ou do seu filho, seja a nossa dívida resgatada, os juros baixem, a bolsa suba, a produção aumente e leve a um bom acréscimo das exportações – e pormenor sem importância, quais e para onde? – crescendo assim o emprego e, pela justa repartição do rendimento, igualdade de oportunidades e qualificações, este país consiga acertar o passo pela Europa. Mas, tremendo pensamento que me ocorre, não é Jesus Cristo, no dizer do poeta aquele que não tinha biblioteca e nada sabia de finanças? Oh! Diabo! Lembrei-me agora que no seguimento do poema também se dizia que o melhor do mundo eram as crianças.

É maravilhoso como tudo acaba por se ligar e fazer sentido!

Vamos então ficar sem o aeroporto, a ponte e com um esquisito comboio de alta velocidade que irá do Poceirão ao Caia! Coisa admirável e nunca vista! Oh! pedregulhos com dois olhinhos como conseguem tão preclaras visões! Que Keynes vos perdoe e Marx não rebente de ira enquanto Adam Smith e Freedman se riem a bandeiras despregadas de tão incoerentes personagens. Nem sequer conseguem ser inteiramente o que são, ou, talvez mais convenientemente, pretendam ser e apenas consigam, na pequenidade que os habita, as caricaturas que na verdade são e serão.

Ah! É verdade, o Fernando Nobre! Lá o vi, no meio da selecta multidão de convidados a prestar a sua homenagem a sua santidade. Fiquei tramado. Se ele também alinha com a pandilha em quem é que agora vou votar? A qualquer um que tenha conseguido ler até aqui este meu desabafo pergunto se conhecerá alguém, seja de que candidato for, que queira comprar, mesmo que a preço módico, o meu voto?

É que já estou naquela de: se os não podes vencer…


Publicado in “Rostos on line” – http://rostos.pt

maio 05, 2010

memórias XX - canto para a morte de bobby sands





I

disseram-me mesmo agora
aqui no café
que hoje cinco de maio
numa prisão da irlanda
tu morreste

em portugal o sol brilha intensamente
na espuma da bica
numa galáxia desenhada
dobram sinos
pela morte de um homem
que não conheci

no repente da memória
relembro outras dores
com nomes luminosos e aquáticos
e vejo-te cálido e tranquilo perto
de che guevara jesus cristo
pablo neruda garcia lorca
ou outros que morreram
com as dores de todos os homens

II

hoje aqui e a ti
ofereço à tua morte
a minha alma de irmão

na sombra que te cobriu
clamo a minha vingança
desejo que não descanses em paz
nem eu nem qualquer outro amante das coisas livres
enquanto não cair
o último dos tiranos

pouco importa que o vampiro feminino
que a burocracia marcará com o nome
maldito de margareth tombe
ou continue por tempo indefinido no
pressuposto do poder

na realidade que importância tem
que no dia da tua morte o exército inglês
avance sobre as pedras da tua pátria
que importará na verdade
que em cada hora numa qualquer
esquina incógnito
um outro patriota caia
no sangue da liberdade

pouco importa mesmo o passo apressado
com que a humanidade procura
o holocausto tu sabes bobby
o que tiver de acontecer acontecerá
e ninguém mesmo ninguém
por mais exércitos ou prisões
ou polícias que domine
poderá impedir para sempre
o caminho daqueles que não aceitam donos
e procuram nas coisas
a alma das canções

III

a tua morte entoa em nós
um hino de esperança
sabemos de novo que continua a haver homens
para quem a liberdade ressoa
como o brilho das estrelas
ou beijos em bocas
de amantes retornados

que fazer bobby da tua memória
que me aquece e incomoda
como liquidar a dívida para com
a tua morte contraída

só o poderei fazer semeando o sol
que hoje te foi negado
amando em todas as mulheres a amada
que no amanhã que não terás
te faria pegar numa guitarra
e imerso na sombra do luar
fazer fluir um tão imenso canto
que o oceano inquieto pensaria
ter já chegado o dia
da grande redenção

a ti o morto
neste momento levantamos obeliscos
na emoção de cada memória
mais não podemos fazer
que ofertar-tos acrescidos da miséria
das palavras que te digo

mas pensa um pouco

uma palavra não é só um som
uma grafia inscritos no papel
uma palavra
se animada por dentro
por um morto que não morre
é o aço e a água
a pedra e a cal
onde o alimento se encontra
e o momento acontece
em bodas de alegria

uma palavra
inventada na saudade
de um corpo início de viagem
é um solene contrato
entre o sangue e as veias o cérebro e o coração


uma palavra é um tributo
onde o oiro prevalece
sem o horripilante jogo
das fronteiras e uma
sentença de morte
para quem procura
a morte das palavras

uma palavra
é o que resta da vida
para todo o sempre

IV
por isso perdoa
por fracas as palavras
com as quais luto contra o esquecimento
e pretendem levantar o monumento
em que o teu nome perdure
e tu continues homem junto aos outros homens
um pouco mais distante é certo
porque prevaleces no âmago de cada um
acendendo o facho da revolta
para aquecer esse pedaço de vida
sonegado
V
foi há pouco que me disseram
que hoje cinco de maio
numa prisão da irlanda
à uma hora da manhã
quando a esperança se começa
a delinear nos lábios da alvorada
numa noite em que a lua
de vergonha não apareceu no céu
subitamente bobby me foste mais irmão

por isso eu estou nesta margem
entre a raiva e o choro
e a minha mão nervosa
traça o papel em signos restritos
na inominável relação que existe
entre o que deste e a relativa
comodidade desta revolta
em que me encontro instalado

por isto insisto nestas frases
e tento o poema
processo a chama onde possa arder
o meu pálido reflexo
do teu poema escrito
com o sangue generoso que te doaram
outros que passaram e como
cristo neruda ché ou garcia
sabem que neste instante
o caminho passou
por uma prisão na irlanda
onde pelo início do dia
ainda noite recolhida
em busca da liberdade um homem livre renascia





Barreiro, 5 de Maio de 1981

maio 01, 2010

O Hospício - (ou quem há-de gabar a noiva)




Abstraído na leitura do jornal só acordei para o mundo quando um amigável porradão nas costas me fez ejectar meia bica direitinha para a página, de quotidiana desgraça, onde a minha atenção se concentrava.

Então, agora deste em actor? Perguntou-me de chofre antes que o pudesse cumprimentar e limpasse o nariz, por onde parte do café, desagradavelmente, encontrara espaço de saída. Era, como não podia deixar de ser o impagável Belegário. O homem parece, por vezes, que é bruxo. Passo tempos sem o ver mas, sempre que algo diferente acontece na minha vida, lá me aparece ele, supimpa, sorridente, sem remorsos ou pudor, inopinado a interceptar os meus percursos.

Olá, Belegário, pelo menos diz bom dia. Resmungou um sumido “bdiapá” e voltou de imediato ao que lhe interessava. Estava para te telefonar mas achei melhor ter um bate papo pessoal contigo por causa da peça. Foste ver? Ná! Só gosto de comédias. Para mim o teatro é para depois de um bom jantar e uns copitos no bucho ir dar umas gargalhadas com as maluquices e as piadas dos actores. O que me traz atarantado é como te foste meter nessa alhada. Já tinhas idade para ter juízo. Então juntas-te a um grupo de comediantes assim sem mais nem menos? Olha lá, disse, o que é que isso de comediantes e o que é que tens contra eles? Pareces um velho do século dezanove eivado de preconceitos de classe. É pá, mas o que é que vão pensar os teus antigos colegas das direcções das empresas ao ver-te nessas andanças. Não sei, repliquei, nem tal me preocupa, uns acharão mal, outros divertir-se-ão com a ideia e outros ainda, mais amigos ou conhecedores do meu feitio iconoclasta encolherão os ombros com um sorriso e, compreensivelmente, dirão ele foi sempre assim.

Pois, pois, mas estou curioso por saber como te foste meter nisso, Conta lá, pá!

Foi simples, um dia o Luciano Barata telefonou-me para me convidar para fazer um papel na peça que, no Grupo Projéctor, o Abílio Apolinário estava a encenar. A peça era O Hospício, também conhecida como Marat/Sade, ou no título original - e prepara o fôlego para poderes repeti-lo - “Perseguição e assassinato de Jean-Paul Marat representada pelo Grupo Teatral do Hospício de Charenton sob a Direcção do Marquês de Sade”. Claro que fiquei um pouco baralhado. Já não fazia teatro desde o Secundário e esta peça, eu conhecia-a, tinha-a visto há umas dezenas de anos na Comuna, com actores do gabarito de Carlos Paulo (Marat) e Carlos Wallenstein (Sade) e conhecia bem a complexidade do texto e as dificuldades de encenação e interpretação de figuras e época. Não tremi com o convite porque pensei que apenas necessitavam de mim para fazer número no conjunto dos doidos do hospício e lá fui, ao Bar do Franceses, falar com o meu amigo Luciano e com o desconhecido, e agora também amigo, Abílio. Ao saber que ele tinha estado na Comuna e que tinha participado no Marat/Sade, percebi que iríamos falar de um teatro de ideias, de encenações radicais e de uma experiência arrojada, tendo em conta as dificuldades da peça e a exigência cénica, histriónica e de interpretação exigidas por este texto de reconhecidos méritos mundiais, bem como o espaço e maquinaria teatral existentes. Entusiasmou-me o arrojo da ideia e fiquei logo conquistado para o projecto. Só fui acometido pelo terror quando, impudicamente, me propuseram o papel de Marat. Não me parecia estar ao meu alcance encarnar aquela tremenda figura de revolucionário jacobino, bem como ter ainda capacidades de memorização para as profundas e imensas falas da personagem. Após longo conciliábulo lá me decidi, a título meramente experimental, testar as minhas capacidades. Abro aqui um breve parêntesis para te dizer, Belegário, que outro tanto se passou com o Mário Durval, o qual, de igual modo, acrescentando com generosidade mais este aos seus muitos afazeres, decidiu entrar no barco.

Sobre o trabalho insano que foi para todo o grupo pôr em cena esta peça não vou falar-te senão para sublinhar que neste conjunto, onde não há actores principais e figurantes – cada um fazendo à vez, em cada peça, o papel que lhe é distribuído - se encontra uma vasta plêiade de talentos, espírito de sacrifício e boas vontades, todos empenhando-se, de igual modo, no conseguimento da percepção e ritmo da obra, entregando-se profundamente ao seu conseguimento, conscientes de que um menor empenhamento pessoal poderia fazer soçobrar o esforço colectivo.

É pá, interrompeu-me o Belegário, mas não achas que é uma grande estopada passar duas horas a ver malucos e ouvir discursos inflamados sobre a Revolução Francesa? Eu sempre detestei esse período da história. Para mim foi sempre uma confusão de acontecimentos, nomes e cortes de cabeças. É bem verdade, respondi-lhe, mas não te esqueças que ainda hoje, os direitos humanos por que sempre te andas a bater, e que por vezes te põem de mal com deus e com o diabo, são o resultado dessas lutas. A América que diga onde foi beber os seus ideais de liberdade e onde baseou a sua Constituição. E as nossa também! Mas passemos adiante e falemos mais na peça e no autor. O Peter Weiss, nascido na Alemanha, refugiado em consequência das perseguições nazi, escreveu esta peça em 1964. Caso raro com as grandes obras, foi logo um êxito. Com certeza que o período de intensa mudança social em que apareceu contribuiu para a sua afirmação. O tema, a linguagem, a intencionalidade assentavam como uma luva nas mudanças que se preparavam em todo o mundo e que vieram a ter os seus corolários nos movimentos de 1969 e posteriormente, nos anos 70, inclusive em Portugal. O texto desta peça foi perfeitamente compreendido como actual naquelas décadas e, facto notável, volta a estar novamente em dia nos tempos que correm e no nosso País. Mais uma vez Jacobinos e Girondinos – com outros nomes e outros discursos – se confrontam num mundo em crise de transição e, talvez não muito distante no tempo, revolta. Para te aperceberes, vou socorrer-me de análises de várias pessoas e fontes (entre elas a entrada Peter Weiss da Wikipédia), sobre os três níveis diferentes mas simultâneos em que a acção se situa:

O Primeiro nível é situado em 1808. Sade está preso, pelas suas ideias e práticas, no Hospício de Charenton. Escreve aí algumas das suas obras mais conhecidas e, como forma de tratamento de doentes mentais encena peças, no Hospício, a que assistem as classes superiores da sociedade revolucionária francesa. São personagens deste nível Sade, o Director Coulmier e os doentes.

O segundo passa-se em 1793 quando a Girondina Charlotte Corday assassina o líder Jacobino Jean-Paul Marat, plumitivo, deputado do povo e absolutamente radical. Aqui pontuam Marat, Charlotte Corday, Duperret – deputado girondino e amante de Charlotte – e Jacques Roux, padre e radical apoiante de Marat.

“A terceira esfera temporal (ou nível) é a do leitor que lê ou assiste à peça, podendo ser tanto público da peça de Weiss como da peça de Sade”, cabendo-lhe a ele as identificações do discurso e a sua adesão às realidades presentes.

Por isto o Grupo Projéctor fez um esforço imenso para que a peça fosse apresentada no dia 25 de Abril. Como ainda a não foste ver, terás possivelmente algumas dificuldades em apreender o sentido profundo desta última “esfera temporal”. Por isso te recomendo vivamente que não a percas – desculpa-me este descarado gabar da noiva pelo noivo – porque não darás por mal-empregado o teu tempo e, muito possivelmente sentirás como és tu também personagem e actor de um drama semelhante e actual passado nos conturbados tempos que o mundo em geral, e o nosso país em particular, atravessam.

Vai, em qualquer dos fins-de-semana de Maio, aos Franceses ver a peça. Leva a família e os amigos. Vão ver que não se vão arrepender.


Publicado in “Rostos on line” – http://rostos.pt

O Hospício - Fotos




Marat (Carlos Alberto Correia) e Simone (Elsa Barata). Ao fundo, em segundo plano, Jacques Roux (Mário Durval). Em primeiro plano o Guarda (João Martinho)


Doentes, Coro, Apresentador Marat e Simone



















Em primeiro plano, Marquês de Sade (Manuel Gonçalves) e Apresentador (João Cruz)

























Em segundo plano Doente (Luciano Barata). Em primeiro plano Duperret (Emanuel Saramago)





















Em cima Coulmier (Luís Gonçalves). Em baixo, ao fundo, da esquerda para a direita, Doentes (Luciano Barata, André Pereira, Maria João). Em primeiro plano Marquês de Sade (Manuel Gonçalves)















Ao cimo, Coulmier (Luís Gonçalves), em baixo, da esquerda para a direita, Doente (Maria João), Enfermeira (Fátima Pires) e Charlotte Corday (Tânia Pacheco)











Doentes , da esquerda para a direita, (Manuel Graça e Rogério Rosa









Doente (Risete Dias)


Ao fundo os músicos, em segundo plano um
doente (Rogério Rosa), em primeiro plano Simone (Elsa Barata) e Marat (Carlos Correia)




As quatro cantoras, da esquerda para a direita, Tourlourou (Lara Nair), Sansonnet (Daniela Pedroso), Cocorico (Vanessa Rodrigues) e La Fauvette (Romy Mendonça)
















abril 09, 2010

Em louvor dos corruptos, hipócritas e mentirosos




(esta crónica deverá ser acompanhada com o trautear de fundo do Requiem de Mozart)
Era ainda menino quando recebi uma lição que, para mal dos meus pecados, nunca levei muito a sério. Foram precisos muitos anos, muitas escorregadelas e estampanços na dura realidade, para que desse, a esse ensinamento, o devido valor. Tratava-se de uma frase amiúde repetida por um homem inteligente, ou observador, que do alto do seu saber e posição, fazia dos seus ditos regras. Dizia ele, da cátedra de Governador Civil, que no Alentejo, para se ser respeitado, não se podia ter mais que a quarta classe nem menos de quatrocentos porcos. Assim, lapidarmente, completava alguns rifões que têm sido apanágio da cultura popular. Para não ficarem em excessiva curiosidade e poder sobrevir-vos algum stress traumático, aqui vão eles. O primeiro, corroborando inteiramente o dito do senhor Governador é: Este gajo sabe muito, numas versões; ou mais forte ainda: este gajo sabe de mais. E aqui temos o início de uma catilinária de analfabetos funcionais, contra quem se esforça por compreender profundamente as coisas, sendo por isso considerado como uma ameaça para aqueles apenas interessados em aperceber-se do superficial e desde que tal não lhes custe muito esforço. O segundo, dito sempre numa admiração basbaque e dirigido a quantos, sem quaisquer rebuços morais, vivem e prosperam à sombra de chicanas e aldrabices, é o exclamativo: aquele gajo é cá um espertalhaço ou, noutra versão, aquele é que sabe viver.


Aqui temos senhores a explícita dicotomia da nossa agónica civilização. Mas, pergunta-se: numa sociedade possuidora de tantos meios e conhecimentos, como é possível chegar a este ponto de decepção a caminho do desespero? Vêm-me então à ideia o ocaso dos impérios. Sempre na sua agonia existiu a perversa esperança de que os bárbaros viessem e na sua destruidora chegada regenerassem as patologias civilizacionais. O momento antecedente a este desejo insano foi sempre pontuado pela desilusão dos povos perante o desprestígio galopante das suas instituições.

O caminho para tal estado de coisas é lento. Imperceptível no início, desliza depois velozmente, em plano inclinado, até um tão profundo apodrecimento que mesmo a destruição de tudo parece ser mais fácil de suportar, ou transportar mais esperanças, que manter os velhos e desacreditados figurinos. Tudo começa, imperceptivelmente, com a perda de valores solidários. O egoísmo, o enriquecimento próprio, contra tudo e contra todos, institui-se como valor axial e tudo subordina. Que importa que fulano seja um coerente defensor das suas ideias, se isso o não faz enriquecer mais um euro? É pôr de lado, que não interessa a ninguém. Porque os valores são trocados por uma contabilidade a corrupção aparece como forma de consagrar uma nova ordem, novas potências, outras dependências. O poder, até aí utilizado no pressuposto de servir a comunidade, passa a ser unicamente veículo de promoção pessoal. Na estrénua procura de sustentar a sua indefensável posição, o corrupto torna-se hipócrita e, mesmo que profundamente errado e prejudicial, apenas apoia e louva aquilo ou aqueles que podem ser úteis aos seus mesquinhos desígnios. Pretende apresentar a falsidade e traição como verdadeiras virtudes.

A hipocrisia é uma hidra de várias cabeças com um corpo de mentiras. É essencial ao hipócrita dominar a fala de língua bífida. Como um mentiroso se apanha mais facilmente que um coxo, dizem, é preciso, para defender possíveis percalços, preparar um conjunto de seguidores e altifalantes, pagos a bom preço, os quais, pelo ruído e repetição, apoiem descaradamente a sua mentira tornando-a numa verdade. Partem sempre do princípio que o resto do mundo é estúpido e nunca conseguirá aperceber-se do logro em que o querem lançar. Dependendo do poder e do lugar de emissão, o êxito estará, na maior parte dos casos, assegurado.

É claro que as inúmeras contradições surgidas, nunca passíveis de prova concreta e evidente - por mor das cascalhantes companhias interessadas na continuidade dos ardis - vão criando uma atmosfera pesada e incómoda onde toda a gente começa a sentir que qualquer coisa não vai bem, que um mal-estar difuso mas persistente se insinua, cobrindo tudo de cinzas, criando uma ameaça, mais pressentida que manifesta, de permanente inverno. E a gangrena seguirá triunfante o seu caminho.

Devemos ainda referenciar o indispensável apoio dos medíocres. Daqueles que sempre reclamam mais e mais direitos e nada fazem para cumprir os seus deveres. Aqueles que esperam que tudo lhes chegue sem esforço são os apoios necessários e fatais do reino dos corruptos. Sem eles, que publicamente falam contra a corrupção, a hipocrisia e a mentira, mas que nada fazem de útil para a erradicar das suas práticas, a consentem e, na sua pequenez, a apoiam (esperando a migalha caída da mesa dos patronos) a vérmina não poderia subsistir. Mas isso exigiria esforço, claridade e, muitas vezes sacrifícios. Volta-se então ao senso comum do deixe-se estar o presidente da Câmara que, embora roubando faz qualquer coisa, porque ao mudar, não só se arranjam chatices, como podemos lá pôr um que não faça nada. Brilhante conclusão. Justifica tudo. A cobardia, o oportunismo, a menoridade cívica e mental. Por estas estradas vamos desconfiando dos políticos, da justiça, das mais instituições. Fatalistas encolhemos os ombros em trágicas desistências, murmurando, por entre dentes, o que se há-de fazer! Isto foi sempre assim. Já não tem remédio!

Na verdade as análises desta gente de vistas curtas, apenas cotejadoras de conjunturas precárias, parecem dar razão a quem assim pensa. Mas veja-se mais longe. Quantas vezes imensas potestades de sólida implantação, parecendo indestrutíveis, pereceram de supetão. É olhar a história. Não é preciso ir muitos longe para testarmos a razão. Mas atenção, depois de acontecida a queda, os mesmos que impunemente declararam nada haver a fazer, chegam-se-nos aos ouvidos com os impantes “estava-se mesmo a ver”, “eu já tinha dito”, “a mim nunca me enganaram”, “aquilo eram elefantes com pés de barro”! Acordam tarde mas já vêm preparados para arranjar um lugarzinho na nova ordem das coisas onde possam acoitar-se. Se não houver cuidado consegui-lo-ão de novo, porque sempre estarão acocorados aos pés de quem lhes poderá dar alguma coisa, sempre calcarão quem se atrever a denunciar as suas práticas, bajularão os poderes sem reservas, serão mais zelosos que quaisquer outros e levarão, sempre além do requerido, a vontade dos seus novos amos, até ao dia em que os possam transformar naquilo que eles sempre foram: corruptos, hipócritas e mentirosos. É preciso ter muito cuidado com os medíocres. Eles são muitos, não têm medidas nem as regras os coíbem. Correm, por isso, o risco de vencer muitas vezes.

É pois da maior urgência que se louvem os corruptos, os hipócritas e os mentirosos. No fundo, ao semearem a podridão, são eles que, sem de tal se aperceberem, aprofundando a dialéctica dos contrários, fornecem o húmus para a construção da nova história.


Publicado in “Rostos on line” – http://rostos.pt